9

 

os ventos

todos eles livres

pelos bulevares

da liberdade

 

sinto-os

nos envolvendo

ouço-os

sussurrarem algumas

palavras aos nossos

ouvidos do lado de cá

 

“gritem”

“olhem lá”

dizem eles

e não enxergo nada

 

quando nos abraçamos

alguns deles

ficam presos

entre minha barba

e teu cachecol

mas então

não mais falam

 

neste momento

silenciam

alguma coisa

que não entendo

muito bem

 

mas não devemos prendê-los

para sempre

 

é necessário

que nos separemos

para que

os ventos sigam

pelas palavras

 

se o mundo inteiro

se abraçasse

não suportaríamos

a dor toda que é o silêncio

 

 

Anúncios

3 Respostas to “9”

  1. Abraçar o silêncio é semelhante a conviver com a ausência, penso eu. É coisa tolerável e até boa. Esse poema ficou triiiiiiii
    (Alguma urucubaca tá acontecendo: não consigo te linkar) Fui!

  2. Acho que vai gostar – se é que já não conhece – do blogue do Antonio Cícero: http://antoniocicero.blogspot.com/

    POesia para o poeta de Itajaí… hehe

    beijão

  3. graaaaanddeeeee seba…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: